×
O QUE PROCURA?
 
 
X
JÁ ESTÁ REGISTADA(O)?
Se já tem uma conta, por favor efetue o seu login.
 
 
NOVOS CLIENTES
Ao criar uma conta, poderá realizar rapidamente as suas compras, inscrições em formações, guardar as suas moradas de envio, consultar as suas encomendas ou produtos favoritos e muito mais.
Criar Conta

Blog

O UV das lâmpadas é cancerígeno?

O UV das lâmpadas é cancerígeno?
 
Olá,

tal como tinha dito no meu ultimo post (embora tenha demorado um pouco mais que previsto) hoje quero informar-vos um pouco melhor acerca da luz Ultra Violeta que usamos diariamente em nós e nas nossas clientes.
Será que é realmente cancerígeno?
Ao contrário do que fiz com o ultimo post “Acrílico, Gel, Dipping e verniz de gel… A confusão…” onde para dar a entender as diferenças químicas entre os sistemas escrevi de forma um pouco mais técnica, vou tentar evitar o palavreado e explicações cientificas, tentando resumir ao que realmente interessa e importa.


Há uns tempos atrás, uma revista veio trazer à baila um receio que algumas clientes tinham e que foi “confirmado”, ou pelo menos referia o seu nome e posição, por um dos directores do hospital CUF.
E porque é que este assunto é tão controverso?? na minha opinião existe aqui algum desconhecimento e confusão no que diz respeito a estas luzes e lâmpadas.

Bom, é certo que excesso de exposição solar faz mal. Todos os anos no inicio do verão somos relembrados disso na TV, rádio, revistas, internet….. “Use protector”, “não se exponha ao sol durante a hora de maior calor”, etc…🌞
Também é certo que durante muitos anos as máquinas de bronzeamento através de lâmpadas UV foram colocadas em causa por serem prejudiciais e que poderiam provocar cancro de pele.

A minha opinião é que tudo o que é em excesso faz mal, temos é de entender quanto é o excesso, por exemplo, se ao longo do dia comer 10 chocolates 😋 é capaz de me fazer mal (mas saber bem…), já se beber 10 copos de agua é capaz de me fazer bem…

Embora o assunto seja um pouco controverso, descobri um artigo que fala sobre um teste que foi realizado por Dr. Dowdy e Dr Sayre, que é simplesmente um dos inventores da escala SPF, usada nos protectores solares.
Ora acredito eu que se o Dr Sayre inventou uma escala usada mundialmente, deve entender do que fala… por isso é esse o teste que vos quis dar a conhecer.

(Soam os tambores) trrrttrrrrrttrrrtrtrtrtrtrtrtrtrtrtrt…………… 

NÃO! 

Nem as luzes UV nem LED são prejudiciais à pele:

Este teste foi realizado em Maio de 2013 e foram testadas as 6 maiores marcas de aparelhos UV, incluindo 3 de aparelhos LED que usam os standards internacionais apropriados.

Os objectivos deste teste eram saber se as lâmpadas UV e LED: 
1 - produziam quantidades excessivas de UV
2 - aumentavam significativamente o risco de cancro da pele com o uso normal de fazer unhas em salão

Os resultados foram muito bons para nós técnicos(as) de unhas, pois foram muito acima das expectativas, na realidade, as máquinas UV são mais seguras do que era esperado por estes cientistas
“Descobriu-se que todas as variedades de máquinas UV que foram submetidas para avaliação são significantemente menos perigosas do que se antecipou baseado nas preocupações iniciais”

Este estudo também demonstrou que estas máquinas UV NÃO são como as de bronzeamento.
“Quando estas lâmpadas UV para unhas são comparadas com as de bronzeamento, nós descobrimos que as lâmpadas UV para unhas são vastamente menos perigosas”

Também se descobriu que a exposição a este UV é tão baixo que a técnica de unhas poderia colocar as suas mãos, nos aparelhos testados, durante 25 minutos por dia sem exceder os limites estabelecidos internacionalmente como seguros. Se comparar-mos com a cliente tradicional que tipicamente expõe ao UV em média apenas 10minutos cada mão por apenas 2 vezes por mês, então os níveis de exposição ao realizar os serviços de unhas são claramente seguros.

O estudo demonstra que o risco que desenvolver cancro de pele é tão baixo que ficou determinado como sendo 11 a 46 vezes mais baixo do que o risco de exposição ao sol do meio dia.

Assim eles concluíram que é altamente improvável que alguém possa exceder os níveis, considerados seguros, de exposição ao UV “… Altamente improvável que até mesmo a cliente mais assídua do salão, ou ávida utilizadora de casa, se possa aproximar deste nível de exposição”

Obviamente que neste tipo de testes ficam sempre os avisos e precauções;
1 Potenciais clientes que tomem medicação que aumente a sensibilidade ao UV. 
Deveríamos sempre questionar as nossas clientes acerca disso, ou até mesmo ter um papel impresso como “lembrete” à cliente. A mesma deve estar ciente quando toma este tipo de medicação, mas poderá não associar uma coisa à outra e não nos custa nada ter este “lembrete” no salão.

2 Usem apenas aparelhos e lâmpadas de fornecedores reconhecidos e tenham o cuidado de trocar por o tipo de lâmpadas correctas. Lâmpadas UV que emitam UV-B ou UV-C podem ser realmente muito prejudiciais. Usar a máquina ou lâmpadas incorrectas também pode trazer complicações na polimerização do gel UV. Por isso é muito importante usar somente lâmpadas originais dos fabricantes/marcas reconhecidos.

Outras informações importantes que vos posso transmitir ainda resultantes deste estudo é que o prato da unha natural tem uma protecção natural ao UV comparado com o factor de protecção 40 dos protectores solares… e pensando bem, por isso é que nunca apanhei nenhum escaldão nas unhas…. eheheheh
Outra “curiosidade” é que as costas da mão é 3 vezes e meia mais resistente ao UV do que as costas, tornando-a assim a zona do corpo mais resiste ao UV de forma natural.

PS - Nós Portugueses temos tendência de tentar sempre comprar o mais barato. É verdade que na China existe o extremo de qualidades, o muito bom e o muito mau, e que estes imitam tudo e mais alguma coisa, mas não se esqueçam que estamos a falar de saúde publica… tenham atenção ao tipo de aparelhos (e não só) que adquirem.

Espero que tenham gostado e até à próxima 😘
O site HN Hit Nails - A Academia de unhas mais premiada de Portugal utiliza cookies. Ao navegar está a concordar com a sua utilização. Saiba mais sobre o uso de cookies. Aceito
×